20 de junho de 2024

Nível do Guaíba Abaixo da Cota de Inundação pela Primeira Vez em Um Mês

O nível do Rio Guaíba em Porto Alegre finalmente ficou abaixo da cota de inundação após um mês de cheias devastadoras. Muitas pessoas estão retornando a suas casas e comércios, mas o impacto das inundações ainda é sentido por milhares de famílias.


Monitoramento e Recálculo da Cota de Inundação

O nível do Rio Guaíba, em Porto Alegre, recuou neste sábado (1º), ficando abaixo da cota de inundação pela primeira vez em um mês. Às 5h, o nível do rio atingiu 3,58 metros, dois centímetros abaixo do patamar de transbordamento de 3,6 metros. O monitoramento do rio é realizado em tempo real, utilizando lasers na régua instalada na Usina do Gasômetro. Os dados são compilados e divulgados pela Agência Nacional de Águas (ANA).

Alteração na Cota de Inundação

  • Nova Cota: O governo do Rio Grande do Sul alterou a cota de inundação de 3 metros para 3,6 metros na última terça-feira (28).
  • Justificativa: A mudança reflete medições feitas em uma nova régua instalada ao sul do Cais Mauá.
  • Impacto na Medição: A alteração não afeta a medição da máxima do Guaíba, que chegou a 5,35 metros em 5 de maio, a maior marca da história.

Retorno às Casas e Comércios

Com a redução do nível do Guaíba, muitos moradores de bairros como Humaitá e Vila Farrapos estão retornando a seus lares e estabelecimentos comerciais após mais de 25 dias. Esses bairros foram severamente afetados pelas cheias e inundações.

O Impacto das Chuvas no Rio Grande do Sul

As fortes chuvas que começaram em 27 de abril e avançaram na direção norte por mais de uma semana causaram destruição significativa no estado. Diversos rios, incluindo Taquari, Sinos, Caí, Gravataí, Pardo e Jacuí, transbordaram, contribuindo para a inundação do Guaíba.

Consequências das Inundações

  • Destruição: Diversos bairros da capital gaúcha foram inundados, resultando em mortes e destruição de propriedades.
  • Infraestrutura Comprometida: Deslizamentos de terra e pontes arrastadas deixaram milhares de famílias ilhadas.
  • Resgates: Mais de 77 mil resgates foram realizados.

Dados da Defesa Civil

De acordo com a Defesa Civil gaúcha, os números são alarmantes:

  • Mortos: 171
  • Feridos: 806
  • Desaparecidos: 43
  • Afetados: 2,3 milhões
  • Desabrigados: Cerca de 630 mil no auge das cheias
  • Abrigos Temporários: 39 mil pessoas ainda estão em abrigos

O recuo do nível do Rio Guaíba é um alívio para os moradores de Porto Alegre, mas o impacto das inundações ainda é profundo e continuará a ser sentido por um longo período. O esforço de reconstrução e apoio às famílias afetadas permanece crucial para a recuperação da região.


A situação no Rio Grande do Sul ainda exige atenção e esforços contínuos para garantir a segurança e a recuperação das áreas afetadas pelas inundações. A monitorização constante do Rio Guaíba e a assistência às famílias desalojadas são prioridades para as autoridades locais.

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *