19 de junho de 2024

Fábrica Clandestina de Azeite é Fechada pela Polícia Civil em São Paulo

A Polícia Civil de São Paulo fechou uma fábrica clandestina de azeite em Jacareí. O local operava em condições precárias e sem higiene. Durante a operação, 150 galões de azeite foram apreendidos e o gerente do local foi preso. A ação também contou com a participação da Vigilância Sanitária.


Polícia Civil Fecha Fábrica Clandestina de Azeite em Jacareí

Produção Precária e Sem Higiene

A Polícia Civil de São Paulo fechou uma fábrica clandestina de produção e comercialização de azeite na última sexta-feira (17) em Jacareí, no interior do estado. A fábrica operava em condições precárias e sem qualquer higiene. Durante a operação, que contou com o apoio da Vigilância Sanitária, um homem de 56 anos, que se apresentou como gerente da fábrica, foi preso por não apresentar alvará de funcionamento.

Apreensão e Prisão

Itens Apreendidos na Operação

Durante a ação, foram apreendidos:

  • 150 galões de azeite
  • 74 mil rótulos de diferentes marcas conhecidas
  • 24,4 mil tampas
  • 15 mil caixas de papelão
  • Um notebook
  • Dois celulares
  • Diversos documentos

Gerente Preso

O gerente, que estava no comando da fábrica, foi encaminhado ao 2° Distrito Policial de Jacareí. O caso foi registrado como falsificação, corrupção ou alteração de produto.

Funcionários e Contratações

Contratação Recente

Outras três pessoas presentes na fábrica foram questionadas e afirmaram ter sido contratadas há dois meses. Segundo elas, não tinham conhecimento sobre a prática ilícita que ocorria no local.

Consequências e Procedimentos

Impactos da Operação

A operação visa não só combater a falsificação de produtos, mas também garantir a segurança alimentar da população. A produção inadequada de azeite pode causar graves riscos à saúde dos consumidores.

As autoridades continuarão investigando o caso para identificar todos os envolvidos e determinar a extensão das atividades ilícitas. A colaboração com a Vigilância Sanitária será essencial para evitar que outros locais clandestinos continuem operando.


Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *